top of page

O mobile marketing e a experiência do usuário (UX)


jovem rapaz sorridente afro sentado no chão olhando para o celular; a foto tem o objetivo de conectar o leitor com o tema sobre marketing mobile.

Há pouco mais de uma década, nós acordávamos e íamos direto escovar os dentes, tomar banho, mas de algum tempo pra cá, os smartphones tomaram tanta posse sobre os nossos comportamentos que, a primeira coisa que fazemos é olhar o celular, se está tudo ok no WhatsApp, Instagram, TikTok, Facebook, e-mails etc.



O mobile impactou diretamente em nossa comunicação, tecnologias e na economia do planeta.


Com o passar do tempo, quase todas as nossas experiências foram transportadas para o mobile. A partir de então, empresas, marcas e negócios, tiveram que reescrever suas histórias, estratégias de engajamento e comercialização de serviços e produtos, proporcionando boas experiências aos seus usuários. Daí, o surgimento do termo "User Experience", abreviado como UX.


Para mergulharmos mais a fundo nesse assunto, é extremamente importante que possamos compreender o que é a usabilidade. Vamos lá?



Usabilidade


A usabilidade nada mais é que a mensuração de facilidade ou complexidade do usuário trafegar em um site, aplicativo, jogos, obtendo boas experiências em plataformas virtuais.

A interface nada mais é que o software ou ferramenta na qual estamos trafegando. Assim, o design de interface é a arquitetura que nos proporciona uma boa experiência de tráfego, com botões, links e acessos fáceis que nos proporcionam permanecer conectados, retendo nossa atenção.

Para que isso ocorra com fluidez no processo criativo, é sempre importante montar uma equipe de profissionais de marketing, designers, arquitetos de informação, assim como profissionais de diversas competências que possam agregar na experiência do usuário.


UX Designer é um profissional que permeia as 5 etapas fundamentais de uma boa experiência.



APRENDIZAGEM

Logo ao acessar o seu site ou aplicativo, os usuários conseguiram cumprir as tarefas primárias?

EFICIÊNCIA

MEMORABILIDADE

PREVENÇÃO DE ERROS

SATISFAÇÃO




Considerado o "Pai da Usabilidade", Jacob Nielsen, definiu algumas regras e boas práticas para que possamos ter sucesso nos resultados.


10 Heurísticas de Nielsen

Elas podem ser utilizadas como um checklist das 5 etapas que acabamos de ver.



1 • Manter o status visível


Informa ao usuário o que está acontecendo naquele seu ambiente online, o que ele deverá fazer e, o que acontecerá em seu percurso.


2 • Tenha proximidade com o mundo real


É importante usar modelos de linguagem semelhantes ao do seu usuário e, na maioria das vezes, abusando um pouco da informalidade, como o uso de símbolos, emojis, tipos específicos de linguagem que farão parte do grupo de pessoas que você almeja atingir.


3 • Exerça o controle sem tirar a liberdade


É importante que você instrua o usuário a executar as tarefas básicas dentro da sua plataforma online, mas sem tirar a liberdade de escolha dele.


4 • Mantenha a consistência e os padrões


Sempre mantenha os mesmos tamanhos, posicionamentos e cores dos botões que chamamos de "call to action" (comprar, assinar, seguir, etc). Quando existe um sistema simples de padronização, isso ajudará nas tomadas de decisão do seu usuário.


5 • Prevenção de erros


Proporcione uma experiência tão perfeita ao ponto do seu usuário não cometer nenhum tipo de erro ou ter que recomeçar algum tipo de percurso, por exemplo.


6 • Crie o reconhecimento


Nem sempre seu usuário lembrará da senha de acesso ou do caminho percorrido para chegar à um determinado produto, ou cumprir uma determinada tarefa. Por isso, é importante simplificar os caminhos a serem percorridos, deixá-los claros e visíveis ao seu usuário.


7 • Eficiência e flexibilidade durante o tráfego


Lembre-se sempre que embora você tenha determinado sua persona, sua plataforma pode ser acessada por pessoas diferentes e com graus diferentes de conhecimentos e experiências em acessos online. Pensando nisso, enfatize o dinamismo através da simplicidade.


8 • Design minimalista


As telas do seu produto precisam conter especificamente aquilo que o seu usuário precisa saber ou fazer. Quanto mais informações desnecessárias forem inseridas, mais distração ou desistência de tráfego seu usuário terá.


9 • Ajude no reconhecimento, diagnóstico e solução de erros


Deixe as mensagens de erro bem claras e evidentes, assim como os botões de recomeço do percurso, para que seu usuário possa facilmente corrigir seu erro e recomeçar o processo.


10 • Documentação e ajuda


Quanto mais intuitivo for o tráfego em sua plataforma online, maior será o seu nível de conversão. Por isso, crie documentos de ajuda ou botões com acesso rápido ao suporte, caso haja.





Lembre-se que existem diferenças entre tipos de telas, além de sistemas Android e iOS.



COMO TORNAR O DESIGN ACESSÍVEL?


Pense tanto na estrutura do design como na experiência do usuário

Design

  • Tamanho e estilo da fonte

  • Cores e contraste

  • Imagens, vídeos e áudio


Usuário

  • Idade

  • Habilidade cognitiva

  • Audição e visão

  • Compreensão da língua e linguagem

  • Dispositivo, tecnologia e conexão


Você sabia que o nosso dedo tem uma medida variável entre 16 e 20 mm?

Se o espaçamento entre os botões ficarem muito próximos um do outro, o usuário poderá ter problemas para cumprir uma determinada ação. Ele pode tanto clicar errado quanto desistir de trafegar em sua plataforma. Deixe uma medida aproximada de 1cm x 1cm na área de clique.

Da esquerda para a direita, de cima para baixo, normalmente são percursos mais usados em aplicativos. Já à direita, embaixo, costuma ter pouca relevância para o usuário.


De acordo com o tamanho do celular, muda o alcance do toque.

Tem muita gente que segura o celular com uma mão só e usa o polegar para clicar, principalmente, quando conversando com outra pessoa ou dentro de um veículo em movimento. Outras pessoas seguram o celular com as duas mãos e usam o dedo indicador para trafegar (como nossas mães, por exemplo), e tem pessoas bem diferentes que pensam que o celular é um "joystick" e seguram com as duas mãos, clicado com os dois dedos polegares. Brincadeiras à parte, todos esses dados podem servir como poderosos insights para a confecção do design da sua interface.


Em sistemas iOS é comum usar os botões de navegação na parte inferior da tela. Já em sistemas Android, na parte superior.



Navegação por barra, menu e ícones



ACTION BAR

Fica no topo da tela, gerando fácil reconhecimento e usabilidade. Nessa região, normalmente encontramos botões de busca, "voltar" e do carrinho. Se torna arriscado demais inserir outros tipos de funções nessa região.

TAB BAR

MENUS E LISTAS DE ÍCONES

AÇÕES CLARAS



Tipos clássicos de interatividade:



LINKS

Sempre quando lemos um texto e nos deparamos com uma palavra escrita em outra cor ou negrito, aquilo nos remete que aquela determinada palavra ou frase, é clicável. Dessa forma, não deixe de proporcionar esse tipo de experiência aos seus usuários.

BOTÕES

SWIPE

SCROLL



Espero que essas dicas proporcionem melhores experiências aos seus usuários e, assim, você possa reter maior atenção deles e aumentar suas conversões.





Comentários


guga_gonçalves, consultor_de_marketing_digital_em_campinas, consultor_de_marketing_digital

Olá, que bom ver você por aqui!

Todos os dias, ajudo pessoas, empreendedores e profissionais liberais a construirem sua marca pessoal, partindo do absoluto zero, além de se familiarizarem com as principais técnicas e recursos da comunicação online e do marketing digital.

Receba todos os conteúdos em primeira mão.

Obrigado por assinar!

  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn
  • Whatsapp
bottom of page