top of page

O Processo da Comunicação Humana

A comunicação é um dos maiores desafios do planeta e dentro das organizações. A má comunicação leva pessoas à gerarem conflitos, rivalidades, rompimento de relações e até Guerras.


foto de 4 pessoas com etnias e raças diferentes, em uma empresa; a foto propõe conectar o leitor desta matéria com o processo de comunicação.

As pessoas não vivem isoladas, nem são autossuficientes. Elas se relacionam continuamente com outras pessoas ou com seus ambientes, por meio da comunicação.

A comunicação é um processo. Isso mesmo! Um processo de transmitir sentimentos, ideias, opiniões e sensações em palavras ou comportamento não verbal, assim, toda comunicação envolve pelo menos duas pessoas: a que envia uma mensagem e a que a recebe.


Informação é quando um emissor passa para um receptor, um conjunto de dados codificados que elimina uma série de indefinições e dúvidas, ou seja, a informação pressupõe a figura de um emissor, uma mensagem e um receptor.

A comunicação acontece somente quando a informação recebida pelo receptor é compreendida, interpretada (decodificada) e encaminhada de volta ao emissor, o que caracteriza a retroalimentação do processo. Esse retorno da informação recebida – designado também como feedback – é o principal elemento que caracteriza e dinamiza o processo de comunicação.



Uma comunicação bem articulada é quando o seu interlocutor faz aquilo que você, comunicador, almejava que ele fizesse, pois a tarefa de comunicar-se não estará concluída até que haja compreensão, aceitação e ação resultante.


A comunicação tem a finalidade de afetar comportamentos

Um grande erro comumente cometido é quando um comunicador emite instruções por escrito e acredita que sua interpretação será precisa e que não haverá possibilidade de problemas. É sempre importante verificar a receptividade de uma instrução escrita e de examinar o entendimento de instruções verbais.



Como vivemos num mundo repleto de devaneios e as pessoas brigam, cada vez mais, pela retenção de atenção, devemos sempre estar atentos com a eficácia da nossa comunicação.


De acordo com o escritor e consultor administrativo, Idalberto Chiavenato, a comunicação é constituída por um processo com cinco elementos fundamentais, que são:


Emissor ou fonte

É a fonte ou processo que emite a comunicação.


Transmissor ou codificador

É tudo aquilo que liga uma fonte à um canal e codifica a mensagem transmitida.


Canal

É a parte do sistema que fisicamente, próxima ou distante, separa a fonte do destino.


Decodificador ou receptor

É o equipamento situado entre o canal e o destino, isto é, que decodifica a mensagem para torná-la compreensível ao destino.


Destino

É o destinatário da comunicação, que pode ser uma pessoa, coisa ou processo para o qual a mensagem é enviada.



A comunicação é um processo que funciona como um sistema aberto, e como tal, é comum ocorrer certa quantidade de ruído. Ruído significa uma perturbação indesejável que tende a deturpar, distorcer ou alterar, de maneira imprevisível, a mensagem transmitida. Geralmente, dá-se o nome de ruído a alguma perturbação interna do sistema, enquanto se dá o nome de interferência a alguma perturbação externa vinda do ambiente.




A Comunicação Não verbal


A comunicação não verbal ocorre através de expressão facial, postura corporal e outros gestos físicos, em contraste com a expressão direta escrita ou oral.




O lado não verbal da comunicação geralmente tem a chave do que uma pessoa está realmente pensando ou querendo dizer. Também pode afetar as impressões que temos de outras pessoas.







Receita para o processo ideal da comunicação humana

​TOM DA PALAVRA

​TOM DE VOZ

EXPRESSÕES FACIAIS

7%

​38%

​55%


As Barreiras da Comunicação


O processo de comunicação humana se torna complexo em função da existência de barreiras que servem como obstáculos ou resistências à comunicação entre as pessoas.


Ocorrem três tipos de barreiras à comunicação humana: as barreiras pessoais, as barreiras físicas e as barreiras semânticas.


Barreiras pessoais

São interferências que decorrem das limitações, emoções e valores humanos de cada pessoa; as barreiras mais comuns em situações de trabalho são os hábitos deficientes de ouvir, as emoções, as motivações, os sentimentos pessoais; as barreiras pessoais podem limitar ou distorcer as comunicações com as outras pessoas.


Barreiras físicas

São as interferências que ocorrem no ambiente em que acontece o processo de comunicação; um trabalho que possa distrair, o WhatsApp e redes sociais, uma porta que se abre no decorrer da aula, a distância física entre as pessoas, canal saturado, paredes que se antepõem entre a fonte e o destino, ruídos estáticos na comunicação por telefone, horário, temperatura etc.


Barreiras semânticas

São as limitações ou distorções decorrentes dos símbolos através dos quais a comunicação é feita; as palavras ou outras formas de comunicação, como gestos, sinais, símbolos etc., podem ter diferentes sentidos para as pessoas envolvidas no processo e podem distorcer seu significado. As diferenças de linguagem constituem barreiras semânticas entre as pessoas.


Esses três tipos de barreiras podem ocorrer isolados ou simultaneamente, fazendo a mensagem ser filtrada, bloqueada ou distorcida

​PESSOAIS OU INTERNAS

SEMÂNTICAS

​FÍSICAS OU EXTERNAS

​Idade

​Diferença de linguagem

​Arranjo da sala

​Sexo

​Decodificação de gestos

​Tamanho da sala

​Experiências passadas

​Significado de sinais

​Temperatura

​Preconceito

​​Significado de símbolos

​Distância geográfica

​Cultura

​Percepção

​Aparência física

​Motivação

​Sentido das lembranças

​Horário

​Necessidade

​Nível de ruído

​Raciocínio e estilo

​Clima

​Status

Além da influência das barreiras, a comunicação pode ainda sofrer de três males, a saber: omissão, distorção e sobrecarga.


Omissão

Ocorre quando certos aspectos ou partes importantes da comunicação são omitidos, cancelados ou cortados por alguma razão, seja pela fonte ou pelo destinatário, fazendo com que a comunicação não seja completa ou com que seu significado perca alguma substância.


Distorção

Ocorre quando a mensagem sofre alteração, deturpação,modificação, afetando e modificando seu conteúdo e significado original.


Sobrecarga

Ocorre quando o volume ou quantidade de comunicação é muito grande e ultrapassa a capacidade pessoal do destinatário de processar as informações, perdendo grande parte delas ou distorcendo seu conteúdo. Muitas vezes, a sobrecarga produz um colapso que paralisa o sistema.



A comunicação tem uma grande importância e relevância quando se aborda interações humanas e métodos para mudança ou influência do comportamento humano. Trata-se de uma habilidade em que cada pessoa pode fazer grandes progressos na melhoria de sua própria eficácia e em seu relacionamento interpessoal ou com o mundo externo. É sem dúvida o ponto de maior desentendimento e conflito entre duas ou mais pessoas, entre membros de um grupo, entre grupos e dentro de uma organização.



Comunicação Organizacional


A comunicação entre os membros de uma organização é importante para o seu sucesso, assim como a comunicação entre os membros e seus clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros e uma série de outros investidores externos.


Numa definição formal, comunicação organizacional é o processo específico segundo o qual a informação se movimenta e é trocada através da organização, e entre a organização e o seu ambiente. Os fluxos de informação fluem tanto pela estrutura formal como pela informal e numa direção ascendente, descendente e lateral.


A tecnologia da informação desempenha um papel importante na forma pela qual a informação é compartilhada e utilizada.


Comunicação formal e comunicação informal


No ambiente organizacional podemos distinguir dois tipos de comunicação: a formal convencionada para uso específico de um determinado grupo e a informal, comunicação não convencional entre indivíduos, dentro de um grupo ou entre grupos.

A comunicação formal, entre outros aspectos, trata de assuntos técnicos de uma ação, ocorrendo nas organizações em caráter oficial, respeitando os trâmites burocráticos pertinentes e utilizando os canais instituídos pelas hierarquias superiores.


Comunicação formal

  • Normativa: restrita a certo campo.

  • Objetiva: esclarece pontos em relação ao objetivo do grupo de trabalho.

  • Precisa: os termos expressam mensagens seguras para a realização do objetivo ou tarefa do grupo.

  • Clara: mensagem bem definida sobre aspectos técnicos, específicos.

  • Concisa: transmite mensagens estritamente relacionadas com a tarefa principal do grupo.




Comunicação informal

  • Livre: de uso universal.

  • Subjetiva: revela aspectos de experiência individual.

  • Imprecisa: depende das pessoas que a utilizam e não esclarece muito sobre os objetivos.

  • Obscura: nem sempre expressa fielmente o que se esperava.

  • Prolixa: comporta mensagens além das necessárias.


A comunicação informal engloba tudo o que falamos no dia a dia, de forma subjetiva, livre, emotiva, a respeito de acontecimentos, pessoas etc. É a comunicação de caráter pessoal que ocorre em paralelo à formal, envolvendo as conversas entre líderes e liderados ou entre colegas.


Normalmente relegada a um segundo plano nas organizações. Por falta de compreensão de seu potencial e pela maneira dissimulada como ela se processa, a comunicação informal ocorre numa espécie de rede na qual são exteriorizados os sentimentos do público interno, e justamente por isso, ela deve ser não apenas considerada, como também identificada como um traço cultural da organização.


Como aspectos positivos, a comunicação informal pode reforçar as mensagens veiculadas pelo sistema formal e contribuir para o entrosamento dos funcionários e colaboradores.


Quando desconsiderada pela organização, a comunicação clandestina ou “rádio peão” se transforma numa verdadeira fonte geradora e difusora de boatos, alimentada por informações truncadas e incompletas, distorcidas por análises precipitadas e preconceituosas, e de caráter meramente alarmante e sensacionalista, porque sem fundamento, essa situação pode acarretar sérias consequências para os resultados da empresa.



foto de um rapaz com headphone, olhando para um celular; ao fundo, um painel de dados; a foto remete às empresas estimulando a comunicação e o bem-estar de seus funcionários, com objetivo de estímulo intelectual em prol dos mesmos e dos resultados da empresa.

A empresa pode até mesmo incentivar a comunicação informal, por exemplo, proporcionando a seus funcionários atividades externas ao dia a dia da empresa, tanto culturais como esportivas e sociais. Essas atividades favorecem a informalidade e a conversação descontraída e alegre.


Muitas ideias criativas e sugestões inovadoras surgem de conversas despretensiosas, quando todos estão mais relaxados e tranquilos para pensar sem inibições, fora de seu posto de trabalho, durante um lanche coletivo ou na pausa para o café. Por essa razão, algumas empresas incentivam os contatos informais com seus dirigentes, por meio de uma política de portas abertas, que ajuda a consolidar um ambiente participativo e dinâmico.


"Quando integrei o departamento de marketing de uma empresa de call center em São Paulo, algumas práticas eram realizadas com o objetivo de promover o bem-estar dos funcionários e colaboradores, como:


  • Levar os melhores atendentes para happy hours.

  • O CEO tomava café na casa dos funcionários para conhecer as famílias e realidades de vida de cada um.

  • Uma vez por mês, o CEO realizava dinâmicas com os colaboradores para maior interatividade e identificação de novas oportunidades".


Para que ocorra uma comunicação eficaz entre duas pessoas no ambiente organizacional, é fundamental que se observem as seguintes regras:


Saiba o que vai dizer

Procure “arrumar” as ideias; trace o objetivo da mensagem, o que você deseja que os receptores da mensagem absorvam, qual é o verdadeiro propósito da comunicação; e se necessário, faça um pequeno roteiro, enumerando apenas os tópicos a serem abordados.


A quem vai se dirigir

Antes de transmitir alguma informação ou iniciar uma conversação ou um simples diálogo, procure adequar suas palavras ao perfil do interlocutor; procure conhecer o perfil do seu público e busque adequar suas palavras e argumentações ao contexto cultural e cognitivo dos interlocutores.


Determine seus objetivos

Não podemos nos esquecer de que na vida estamos o tempo todo influenciando e sendo influenciados por meio das diversas dinâmicas de comunicação que estabelecemos ao longo da vida. Nada pior que a atitude que não acompanha o discurso. Por isso, antes de iniciarmos um processo de comunicação, devemos refletir sobre os seguintes pontos específicos: qual a real intenção no ato da comunicação que se estabelecerá; quais motivaram a necessidade de falar ou me expressar.

Reflita sobre as suas verdadeiras intenções e objetivos.


Consulte outras pessoas

Consulte outras pessoas para planejar as comunicações, peça opiniões, lembre que aqueles que o ajudam a planejar, com certeza, o apoiarão.


Como dizer

Estruture o método de exposição, a tonalidade da voz, as expressões faciais, atitudes corporais, gestos, os meios audiovisuais utilizados e o diálogo franco e objetivo são recursos imprescindíveis para motivar uma audiência, manter o público atento, interessado, e, portanto, receptivo à mensagem, ao retorno e à ação.


Suas ações

Execute suas ações com base nas informações adquiridas e validadas; esteja certo de que suas ações apoiam aquilo que você diz, lembre que ações falam mais alto do que palavras.


Compreensão

Procure saber quais foram as consequências da comunicação; procure não só ser compreendido como compreender, seja um bom ouvinte não só para os significados explícitos, mas também para os implícitos; procure perceber se a sua intenção na comunicação foi correspondida; sempre verifique se você foi entendido, faça perguntas, incentive o comentário sobre o que foi comentado; após transmitir a informação, faça perguntas como: o que você achou do que foi falado? como aplicaria isso em sua realidade de trabalho?


Feedback

O retorno de informações é essencial para manter seus parceiros atualizados nos processos e atividades de interesse comum. Sempre retorne a informação, mostre os resultados e ações

consequentes de informação recebida.


Examine o ponto criticado

Seja humilde e examine o ponto criticado para dar crédito às boas ideias e ao trabalho sincero; ao receber críticas, procure extrair os aspectos positivos e construtivos, posteriormente, analise e estabeleça procedimentos de ajuste e correções; não demonstre desânimo ou desagrado, mas satisfação por receber um retorno sincero.


Evite termos técnicos

Não use gírias e evite jargões, termos técnicos que podem atrapalhar na comunicação; se for imprescindível, explique o significado dos termos usados, você pode estar falando com alguém que quer entender o que você está falando e não consegue, provavelmente, na próxima vez ele não lhe procurará; use uma linguagem que descreva a realidade.


Procure ser claro e objetivo

Seja objetivo, não faça rodeios, mesmo que a mensagem seja o que as pessoas não gostariam de ouvir.





Comunicação interpessoal


A comunicação interpessoal é a interação verbal (oral ou escrita) e não verbal entre dois ou mais participantes do processo da comunicação. A comunicação interpessoal nas organizações tem uma grande importância, pois ela é a principal ferramenta de informação para manter as partes sintonizadas


Indivíduos com boas habilidades de comunicação ajudaram grupos a tomar decisões melhores e foram promovidos mais frequentemente que indivíduos com capacidades menos desenvolvidas.


A empresa deve estar sintonizada com o mundo a sua volta e o funcionário deve estar sintonizado com sua empresa e com o mundo. Para sentir-se parte integrante de um processo, ou seja, sintonizado com os elementos participantes, é necessário ter informações e, em uma empresa, é preciso fazer circular as informações.


A competência em comunicação é demonstrada pela capacidade de usar efetivamente comportamentos de comunicação em um dado contexto.


O Gestor pode aprimorar sua competência em comunicação através de três estilos de comunicação e capacidades/traços sob seu controle:


Estilo assertivo

Aquele que é expressivo, se autopromove e se baseia na noção ética de que não é certo e nem bom violar os próprios direitos humanos básicos ou dos outros, como o direito de autoexpressão ou o direito de ser tratado como dignidade e respeito.


Estilo agressivo

Aquele que é expressivo, se autopromove e luta para tirar vantagem injusta dos outros.


Estilo não assertivo

Aquele que é caracterizado pelo comportamento tímido e de autonegação, a não assertividade é ineficaz porque dá a outra pessoa uma vantagem injusta.



Os gestores podem aprimorar suas competências em comunicação desenvolvendo-se em ser mais assertivos e menos agressivos ou não assertivos



​ESTILO DE COMUNICAÇÃO

​DESCRIÇÃO

​PADRÃO DE COMPORTAMENTO NÃO VERBAL

​​PADRÃO DE COMPORTAMENTO VERBAL

​ASSERTIVA

​Pressionar bastante

sem atacar. Permite que os outros influenciem no resultado. Expressivo e se autopromove sem

invadir os outros.

​Bom contato pelo

olhar. Postura confortável, mas firme.

Voz forte, firme e audível. Expressões faciais associadas à

mensagem. Tom adequadamente sério.

Pausas seletivas para assegurar o entendimento.

​Linguagem direta e não ambígua. Sem atribuições ou avaliações do comportamento do outro. Uso de sentenças com “Eu” e de sentenças com

“Nós”, que enfatizam

a colaboração.

​AGRESSIVO

​Tirar vantagem dos

outros. Expressivo e se autopromove à custa dos outros.

​Olhar fixamente. Mover-se ou inclinar-se, ficando próximo demais. Gestos ameaçadores (apontar o dedo, cerrar o punho). Voz alta.

Interrupções frequentes.

​Palavrões e linguagem abusiva. Atribuições e

avaliações do comportamento dos outros. Termos que

denotam discriminação sexual ou racial. Ameaças explícitas ou desdém.

​NÃO ASSERTIVO

Incentiva os outros a

tirar vantagem, inibido. Autonegação.

​Pouco contato do

olhar. Olhar para baixo. Postura encurvada. Jogar o peso do corpo constantemente para os lados. Retorcer as mãos. Voz fraca ou

chorosa.

​Qualificadores (“talvez”, “tipo de”). Preenchedores (“ah”, “sabe”, “bem”). Negativas (“Isto é realmente tão importante assim?“Não tenho

certeza”).



Técnicas e habilidades da comunicação


Para o desenvolvimento das habilidades para uma comunicação eficaz, três são os elementos mais importantes, ou seja, a habilidade de perguntar, a habilidade de ser um ouvinte ativo e a habilidade de dar e receber feedback.



Habilidades de perguntar

Por que perguntar é tão importante no processo de comunicação? Porque demanda respostas, estimula o pensamento, fornece valiosas informações, provoca as pessoas a se abrirem aos problemas e as ajuda a se convencerem.


Através das perguntas podemos:

  • Verificar com que exatidão você está entendendo a mensagem da outra pessoa.

  • Verificar com que exatidão a sua mensagem está sendo entendida.

  • Sondar o ponto de vista da outra pessoa.

  • Estimular a discussão em profundidade.

  • Encorajar novas formas de encarar uma informação.


Também podemos afirmar que não são as respostas que movem o mundo, mas sim as perguntas! Vejamos alguns exemplos:


O Processo de Comunicação Humana

  • Quem somos? (Os filósofos tentam entender...)

  • De onde viemos? (Criação ou evolução?...)

  • Para onde vamos? (Existem mais de 200 teorias...)

  • Como será a economia nos próximos anos? (Os economistas querem explicar...)

  • Como o cérebro funciona? (Os cientistas procuram entender...)


O maior valor prático do método de empregar as perguntas reside no fato do questionador não ter a necessidade de possuir todas as respostas.



Uma pessoa pode se engajar num diálogo sem necessariamente conhecer tudo sobre o assunto em questão, desde que ela saiba fazer perguntas interessantes.


As perguntas têm um poder não expresso, pois cada pergunta possui um poder que não está na sua resposta; têm um impacto antes de serem respondidas; nos fazem pensar; focam nossa atenção; nos levam a outra dimensão da mente; podem nos apontar para o caminho da compreensão e ação; podem motivar as pessoas, fechar um assunto ou acender uma nova ideia; podem intensificar um conflito ou criar pontes; enfim, as perguntas nos fazem pensar:


  • Quais são as atividades mais críticas da minha função?

  • Quais as opções que temos para resolver este problema?


As perguntas focam nossa atenção:


  • Como está o nível de estoque da Linha 3?

  • Quantos objetos da cor vermelha estão ao seu redor?


As perguntas nos levam a uma determinada visão:


  • Ao invés de pensarmos apenas em: “Como aumentar a demanda dos nossos atuais serviços nos atuais segmentos de mercado?”, que tal também pensar em: “Que novos serviços podemos desenvolver e oferecer aos novos segmentos de mercado?”

  • Ao invés de nos perguntarmos: “Que custos podemos reduzir?”, que tal perguntarmos: “Qual é a nossa vantagem diferencial competitiva e onde poderíamos ter sucesso?”


Elas podem nos apontar para o caminho da compreensão e ação:

  • Que ações e mudanças eu preciso adotar para melhorar ainda mais o meu relacionamento com os meus colegas e superiores?

  • Quais necessidades minha equipe precisa hoje, que eu não estou atendendo?


Elas podem acender uma luz:

  • Quais as melhorias que eu poderia incrementar no meu produto além das já oferecidas?

  • Como meus colaboradores poderão contribuir ainda mais com suas competências e esforços para o sucesso da empresa?


Elas podem intensificar um conflito:

  • Como podemos nos vingar? (Toda pergunta abriga uma premissa ou pressuposição que frequentemente está velada. “Como podemos nos vingar?” afirma mais do que pergunta).

  • O que posso fazer para torná-lo ainda mais vulnerável?

  • Quem é o culpado?


Elas podem criar pontes:

  • Como posso ajudar? Que aspectos nos unem? O que temos nós em comum?

  • Que maneiras ou mecanismos precisamos criar para que possamos conviver melhor com as nossas diferenças?

  • Como podemos prevenir que esse incidente não aconteça novamente?


Saber fazer boas perguntas é essencial para uma boa comunicação.


Existem basicamente dois tipos de perguntas: as abertas e as fechadas.



Perguntas Abertas

As perguntas abertas servem para: • Obter repostas profundas e ponderadas.

• Extrair opiniões, ideias, recursos e habilidades do interlocutor.

• Encontrar um novo enfoque ao assunto, problema ou decisão.

A principal finalidade de uma pergunta aberta, é proporcionar ao interlocutor a chance de reponder de maneira ampla e detalhada.

Perguntas Fechadas

Perguntas Devem Ser Evitadas?

Pergunta Conducente

Perguntas Múltiplas

Perguntas Criticantes




A Habilidade de Ouvir


Saber ouvir é a maior habilidade em um processo de comunicação, entretanto, é uma das mais difíceis de serem praticadas, principalmente, quando a humanidade está sofrendo uma crescente necessidade de retenção de atenção e, por este motivo, acabam ocasionando o insucesso no processo de comunicação.



ESCUTAR ≠ OUVIR



Escutar

Significa apenas captar as vibrações sonoras.

Este é o processo de uma audição passiva.


Ouvir

Significa compreender e decodificar aquilo que escutamos.

Este é o processo de uma audição ativa.



Escutai com atenção o que o outro tem para dizer e serás capaz de ouvir além das palavras

Confúcio




Você Quer Ouvir Melhor?


O ato de ouvir uma pessoa se divide em duas partes distintas de receber uma mensagem: • Quando ouvimos as palavras, estamos prestando atenção ao conteúdo da mensagem;

• Quando analisamos o tom da voz, a linguagem corporal, nos atentamos ao sentido por trás das palavras.


VELOCIDADE DA FALA E O RITMO DO PENSAMENTO:


​Diferença entre o ritmo do discurso e do pensamento.

Nosso pensamento é capaz de decodificar 400 palavras por minuto, porém, a nossa fala, consegue a média de 125 palavras por minuto.

Quando em baixa velocidade, nos permitimos termos tempo para pensarmos em outras coisas, divagarmos sonhando acordados.

​Se esses intervalos se sobrepuserem à mensagem, parte dela será perdida. Este é um hábito muito comum em pessoas que tem desinteresse em um determinado assunto ou, pessoas que sofrem de ansiedade e têm outras prioridades ou pensamentos criando devaneios em sua mente.


8 Principais Fatores Que Prejudicam A Capacidade de Ouvir


  1. Valores e costumes

  2. Comportamento

  3. Ambiente físico

  4. Competição

  5. Timidez

  6. Pessimismo

  7. Assuntos desagradáveis

  8. Arrogância


11 Principais Fatores Que Ajudam A Capacidade de Ouvir


  1. Silêncio

  2. Percepção

  3. Entrelinhas

  4. Indagação

  5. Respeito

  6. Empatia

  7. Concentração

  8. Observação

  9. Educação

  10. Equilíbrio

  11. Imparcialidade



Habilidades de Dar e Receber Feedbacks


Feedback é um mecanismo corretivo ou de reconhecimento, para o indivíduo que deseja aprender quanta afinidade há em sua conduta e intenções.


O conceito de feedback, na tradução literal, significa retroalimentação, ou seja, é ato de processar informações e transmiti-las ao sistema para a comunidade e suas interações. Em outras palavras, é o retorno da informação.



foto de uma mulher sorridente conversando com um homem em um escritório; a foto tem o objetivo de conduzir o leitor desta matéria à cenários de feedbacks.

A proposta de feedback é ajudar o transmissor a apurar os resultados obtidos na transmissão da mensagem, em relação aos seus objetivos iniciais.


Praticar feedback ajuda a solidificar, aproximar ou afastar as relações interpessoais e, acima de tudo, nos permite vivermos em grupos e identificar outros que não queremos estar, em um determinado momento.


[...] cada um no seu quadrado...

Anitta


A maioria das pessoas costuma agir das seguintes maneiras, em relação ao feedback:

​POSITIVAS

​NEGATIVAS

​Escutam com atenção e buscam correção do erro e adequação da mensagem ou comportamento;

​Procuram justificar seu comportamento, relacionando o feedback à um julgamento;

​Recebem o retorno da mensagem como um sinal de amizade e confiança;

Negam a validade dos dados expostos no feedback;

​Motivam-se para obtenção de melhorias de seus trabalhos ou projetos;

​Preferem não ouvir o que lhes é dito (recepção seletiva);

​Sentem-se notadas e valorizadas.

​Atacam as pessoas que lhes dão feedback, apontando seus erros e desacertos.

Tanto para dar quanto para receber feedbacks, é necessário que haja um preparo e interesse, e para que o processo não se torne ineficaz, é necessário seguirmos um protocolo.



Aplicável

Utilize "eu notei que você..." ao invés de "eu não gostei quando você...".

Neutro

Oportuno

Solicitado

Objetivo

Direto

Específico

Comprovado


Esteja sempre aberto à receber a percepção do comportamento que você emana na sociedade ou grupos onde está inserido(a).

Sempre que conseguimos receber feedbacks e obter melhorias, estaremos mais "desarmados" para termos uma boa comunicação e, consequentemente, também saberemos dar bons feedbacks.

Comments


guga_gonçalves, consultor_de_marketing_digital_em_campinas, consultor_de_marketing_digital

Olá, que bom ver você por aqui!

Todos os dias, ajudo pessoas, empreendedores e profissionais liberais a construirem sua marca pessoal, partindo do absoluto zero, além de se familiarizarem com as principais técnicas e recursos da comunicação online e do marketing digital.

Receba todos os conteúdos em primeira mão.

Obrigado por assinar!

  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn
  • Whatsapp
bottom of page